Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Quando os bolcheviques derrotaram a Tifo

Juan Paz

Quando os bolcheviques derrotaram a Tifo

Juan Paz

A construção de hospitais e a educação sanitária conseguiram impedir que milhares morressem pela Tifo e controlar a epidemia. Para isso, centralizaram seus recursos em função das necessidades das grandes maiorias.

O tifo é uma doença infecciosa causada pela bactéria Rickettsia prawazekii e é transmitida por piolhos (Pediculo humanas corporis). Atualmente, é endêmica em países da África, Ásia e América do Sul e está relacionada às condições de carência de saneamento básico. Esta doença é tratada com medidas higiênicas e com um antibiótico chamado Doxiciclina, patenteado em 1957 e que permite diminuir drasticamente a mortalidade por essa doença. Mas antes da descoberta deste medicamento, a humanidade sofreu milhares de mortes com grandes epidemias desta doença, a mais recente das quais ocorreu na frente oriental da Primeira Guerra Mundial.

Desencadeada a carniceria humana da Grande Guerra, da Sérvia à Rússia, Tifo deixou os soldados fora de combate, porque ficaram doentes ou morreram nas trincheiras. Com a revolução bolchevique e a tomada do poder pelos soviéticos, as negociações de paz começaram a ser assinadas em Brest-Litovsk em março de 1918. Para o jovem governo revolucionário, foi necessário terminar a guerra imperialista e, assim, poder avançar nas medidas socialistas, combater a fome, o atraso material e as doenças.

Nesse período, a União Soviética foi isolada de outros países e, internamente, a fome, a guerra civil e a epidemia de Tifo aprofundaram a deterioração material das massas. Os relatórios do Dr. Fedorov registraram 47.333 casos em Petrogrado, dos quais 9,2% morreram no período de 1918 a 1922. Em toda a URSS, cerca de 4 milhões de pessoas foram afetadas, e na guerra civil essa doença não escolheu bandos, de forma que os exércitos vermelho e branco foram afetados.

O ano crucial foi 1918, quando as instituições de saúde pública entraram em colapso e os piolhos desfrutaram de uma mobilidade sem precedentes pela primeira vez. Sem uma operação de saúde pública, os serviços careciam de dados confiáveis sobre a ocorrência de tifo e outras doenças transmissíveis.

Lenin visualizou que o problema da epidemia de tifo estava relacionado à saúde pública e que era uma tarefa fundamental para a construção e o desenvolvimento do Estado proletário. Em 1919, ele discursa no VII Congresso de Trabalhadores e Camponeses com as seguintes palavras:

Um terceiro flagelo está nos atacando, os piolhos e a tifo que estão derrubando nossas tropas. Camaradas, é impossível imaginar a terrível situação nas regiões da tifo, onde a população está arrasada, enfraquecida, sem recursos materiais, onde toda a vida, toda a vida pública cessa. A isto dizemos: Camaradas, devemos concentrar tudo neste problema. Ou os piolhos derrotam o socialismo, ou o socialismo derrota os piolhos! ... É necessário que cada trabalhador, cada organização, cada instituição leve isso em consideração em todas as reuniões. Se formos capazes de fornecer grãos, se pudermos aumentar o suprimento de combustível, se dedicarmos todos os nossos esforços para eliminar a tifo na Rússia, que resulta da falta de cultura, pobreza, atraso e ignorância. Se nos dedicarmos a essa guerra sem sangue, com toda a força e experiência obtidas em uma guerra sangrenta, podemos ter certeza de que obteremos um sucesso cada vez maior neste trabalho.

Em julho de 1918, foi criado o Comissariado do Povo de Saúde Pública "Narkomzdrav", nomeando em seu discurso o médico Nikolai Semashko, cuja as forças estavam concentradas para melhorar as condições de existência material e cultural das massas. Em princípio, os médicos liberais praticantes se opunham ao nascente Comissariado da Saúde, mas a falta de "clientes" devido à pobreza e a necessidade de centralizar políticas de saúde contra epidemias os levaram a colaborar com os bolcheviques. Lenin relatou ao sétimo congresso:

Ainda existem alguns médicos, é claro, que têm noções preconcebidas e não têm fé no governo dos trabalhadores, que preferem cobrar honorários aos ricos em vez de travar a dura batalha contra a tifo. Mas são uma minoria, são cada vez menos, e a maioria vê que as pessoas estão lutando por sua própria existência; elas percebem que, com sua luta, as pessoas querem resolver a questão fundamental de preservar a civilização. Esses médicos que estão se comportando neste assunto árduo e difícil, com não menos devoção do que os especialistas militares. Eles estão prontos para se colocar ao serviço dos trabalhadores. Devo dizer que também estamos começando a emergir dessa crise. O camarada Semashko me deu informações sobre este trabalho. Segundo notícias da frente, 122 médicos e 467 auxiliares chegaram à frente em 1º de outubro. Cento e cinquenta médicos foram enviados de Moscou. Temos motivos para acreditar que, até 15 de dezembro, outros 800 médicos terão chegado à linha de frente para ajudar na batalha contra a tifo.

As medidas sanitárias foram baseadas no controle da propagação da tifo, controlando vetores (piolhos), isolando os doentes, educação em saúde e usando produtos químicos para repelir a entrada de piolhos no corpo. As roupas das pessoas, assim como os uniformes dos soldados, foram levados a um grande esterilizador a vapor para matar piolhos e destruir seus ovos.

Foram oferecidos chuveiros quentes, banhos, sabão forte, óleos de coco e aguarrás (apelidado de Semashkina). Naftaleno e piretrinas foram amplamente utilizados para despiolhamento (posteriormente substituído pelo DDT).

O governo soviético estabeleceu cerca de 250.000 leitos para pacientes com tifo e ergueu cerca de 300 estações de isolamento e desinfecção ao longo das ferrovias e hidrovias. Centenas de destacamentos de banheiro e desinfecção foram criados no exército para despejar as tropas. Os pacientes foram controlados clinicamente e seus cuidadores foram informados de todas as medidas e precauções necessárias para evitar infecções e complicações. Foram criados trens sanitários sem piolhos que percorreram toda a frente soviética, transferindo pacientes para os principais hospitais para a terapia necessária de acordo com a gravidade. As fábricas tinham salas de assistência com médicos e banheiros para higiene pessoal.

Com a melhoria das condições materiais, a construção de hospitais e a educação em saúde, milhares de mortes por tifo foram prevenidas e essa epidemia foi controlada. Para fazer isso, eles centralizaram seus recursos de acordo com as necessidades da grande maioria, e que naquele período histórico, o desenvolvimento da ciência e da tecnologia não estava tão avançado quanto é agora. A tifo deixou de ser um problema para a população europeia após o uso do DDT em 1939 e a descoberta da doxiciclina, um antibiótico de baixo custo.

Esta doença é descrita apenas em países onde as condições de vida são muito ruins devido ao capitalismo que comercializa saúde e ciência há décadas. Essa mercantilização levou ao aumento dos lucros e à acumulação capitalista da indústria farmacêutica e científica. Todo avanço teve o objetivo de beneficiar economicamente um setor minúsculo da sociedade, com um benefício residual, dependendo da acessibilidade econômica das pessoas.

A pandemia de COVID-19 mostra a face mais brutal e desumana deste sistema, uma vez que em vários países a comercialização de ciências da saúde e farmacológicas impede que milhões de pessoas acessem os recursos de saúde sem serem mediadas pela dinheiro, ou que o desenvolvimento de uma vacina pandêmica desencadeie a concorrência entre centros de pesquisa em todo o mundo por um negócio potencialmente muito lucrativo para a indústria farmacêutica. Os bolcheviques, apesar do atraso científico, econômico e cultural, demonstraram que, com a nacionalização e centralização dos recursos de saúde, respostas efetivas à saúde contra doenças epidêmicas podem ser fornecidas.

Hoje, com todo o desenvolvimento da ciência e da tecnologia em saúde, é essencial adotar essas políticas e colocá-las em funcionamento para a grande maioria.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Teoria]

Juan Paz

Comentários